Os juros da dívida da Grécia bateram esta segunda-feira a barreira psicológica dos 10% a cinco anos, pressionados pelo facto de o parlamento grego não ter alcançado os votos necessários para eleger um novo presidente do país.

Bolsa de Atenas seguia em forte queda

Pelas 12:00 em Lisboa, os juros da dívida grega a cinco anos negociavam-se a 10,071% no mercado secundário, contra 9,071% na sexta-feira, destaca a Lusa.

Os juros da dívida grega na maturidade dos cinco anos tinham atingido um mínimo histórico de 3,805% a 5 de agosto de 2013.

Também no prazo dos 10 anos, os juros da dívida grega atingiram os 9,517% na negociação no mercado secundário, acima dos 8,501% do dia anterior, quando tinham caído para 5,565% a 8 de agosto de 2013, batendo um mínimo histórico.

O primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, propôs hoje o dia 25 de janeiro para a realização de eleições legislativas antecipadas, na sequência do fracasso do parlamento em eleger um presidente e da consequente dissolução da assembleia.

«Amanhã (terça-feira), vou pedir ao atual presidente a dissolução do parlamento e a realização de legislativas antecipadas a 25 de janeiro», disse Samaras, citado pela agência France Presse.

O parlamento da Grécia voltou hoje a não conseguir eleger um presidente, pela terceira vez, com o candidato apresentado pelo governo, Stavros Dimas, a não obter os 180 votos necessários para ser eleito.

A Constituição da Grécia estipula que a não-eleição do presidente ao fim de três rondas implica a dissolução do parlamento nos próximos 10 dias e a convocação de eleições legislativas antecipadas.