O Governo e a CMVM deram autorização à compra da bolsa de Lisboa pela norte-americana ICE, segundo informação publicada em Diário da República, formalizando assim, a nível nacional, a transação que criou o gigante dos mercados financeiros mundiais.

A norte-americana Intercontinental Exchange (ICE) concluiu, na quarta-feira, a aquisição da NYSE Euronext por cerca de 8,2 mil milhões de euros, criando um gigante global nos mercados financeiros, numa operação que teve de ser aprovada também pelas autoridades dos países em que a Nyse Euronext está presente.

Segundo a informação hoje publicada em Diário da República, a Ministra das Finanças autorizou a aquisição da Euronext Lisbon pela ICE, depois de ter tido um parecer positivo da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

«Autorizo a aquisição pelas requerentes de uma participação social indireta superior a 50% do capital social e dos direitos de voto da Euronext Lisbon, nos termos do requerimento datado de 5 de junho de 2013 e no pressuposto do cumprimento dos compromissos assumidos pelas requerentes», lê-se no despacho assinado por Maria Luís Albuquerque.

Com esta aquisição, a bolsa portuguesa volta a mudar de dono no espaço de poucos anos, depois de ter sido gerida pela Euronext e, mais tarde, pela NYSE Euronext.

A NYSE Euronext geria a New York Exchange, as bolsas de Amesterdão, Bruxelas, Lisboa e Paris, além do mercado de derivados da Europa, o Liffe, tendo resultado da fusão entre a gestora da praça norte-americana e o grupo pan-europeu Euronext.

Já a norte-americana ICE geria o mercado de contratos futuros de energia e matérias-primas que serve mais de 70 países, comprometendo-se a manter a marca NYSE Euronext caso a sua oferta avance e receba a necessária luz verde das autoridades regulatórias.