A Galp aumentou significativamente a exploração e produção de petróleo no último trimestre do ano passado em termos de quantidade, segundo os dados preliminares hoje divulgados pela empresa.

Em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), nota a Lusa, a Galp revela que, em termos de exploração e produção de petróleo, houve um aumento de produção média working interest (produção bruta) de 43,4% entre o último trimestre de 2014 e o período homólogo de 2013. Já em termos de produção média líquida (net entitlement), o valor percentual aumentou para 52,5%, passando dos 28,2 mil barris por dia para os 33,4 mil barris por dia.

Este aumento de produção não quer, no entanto, dizer que a empresa faturou mais com as suas vendas de crude, isto porque o preço do petróleo nos mercados internacionais está a cair desde junho do ano passado.

Já na área da refinação e distribuição, as vendas as clientes diretos diminuíram 5,6% entre os dois trimestres em análise, enquanto que o crude processado pela Galp aumentou 13,8%, passando dos 21,2 mil barris por dia para os 24,3 mil barris.

A empresa liderada por Ferreira de Oliveira conseguiu aumentar as suas margens de refinação devido à queda do preço do petróleo. A Galp beneficiou também de um aumento das exportações produtos refinados, passando dos 1,1 milhões de toneladas para 1,3 milhões de toneladas entre os dois trimestres em análise, aumentando em 17,4% as exportações.

No que se refere ao segmento de Gas & Power, o departamento da Galp que vende gás natural e faz a distribuição de eletricidade, os resultados não foram positivos. As vendas totais de gás natural caíram 2,9% no quarto trimestre face ao mesmo período do ano passado, apesar da atividade de trading ter subido 13,3%. Já as vendas de eletricidade aos seus clientes à rede caíram 22,8% em termos homólogos, passando dos 389 para os 375 gigawatts/hora.