A empresária angolana Isabel dos Santos, a segunda maior acionista do BPI, propôs aos presidentes do Millennium bcp, BPI e CaixaBank a análise de uma fusão entre os dois bancos lusitanos, disse fonte conhecedora da proposta, realçando que a posição da empresária angolana no sistema financeiro português é estratégica, noticia a Reuters.

A mesma fonte adiantou que esta proposta de análise tem por objectivo a criação do maior banco privado português com sede em Portugal e posições de referência em Angola, Moçambique e Polónia.

Esta fonte referiu ainda que Isabel dos Santos enviou, ontem à noite, uma carta aos Chief Executive Officers (CEOs) do Caixa Bank, Gonçalo Gortazar, do Millennium BCP, Nuno Amado, e do BPI, Fernando Ulrich, com esta proposta de análise de uma fusão do BCP com o BPI.

Realçou que nesta carta enviada ficou expresso que a posição da empresária Isabel dos Santos no BPI não é meramente financeira e que a sua posição no sistema financeiro português é estratégica.

O espanhol CaixaBank anunciou, a 17 de Fevereiro, uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a totalidade do capital do BPI, instituição na qual já é o maior acionista com 44,1%, oferecendo 1,329 euros por ação, que entretanto já foi suplantada pela cotação em Bolsa de 1,36 euros.

As ações do BPI disparam 8,5% para máximos de Dezembro de 2014, nos 1,475 euros, e as do BCP avançam 6,7% para 0,089 euros - o nível mais alto desde Outubro último.

A Santoro de Isabel dos Santos, filha do presidente de Angola, tem 18,6% do BPI, que é o segundo maior banco cotado de Portugal e controla 50,1% do Banco Fomento Angola (BFA) - a 'jóia da coroa' em resultados e rentabilidade.

A oil estatal angolana é o maior acionista do Millennium bcp com 19,44%. O Millennium bcp tem 50,1% do Millennium Angola.

O BCP e o BPI têm operações em Moçambique e o Millennium bcp controla o Millennium Bank na Polónia.

Em 2007, por duas vezes, o Millennium bcp e o BPI tentaram mas falharam projetos de fusão.