Dois terços do aumento de capitais próprios do universo de empresas não financeiras do PSI-20, entre 2004 e 2013, foram gerados pelo grupo EDP. No mesmo período, segundo o Diário Económico, tanto os capitais próprios da empresa como o seu ativo total mais do que duplicou, subindo 104% e 140%, respetivamente.

O reforço supera a performance da dívida líquida, que subiu 85%, sendo apontada pelos analistas como uma das mais elevadas da bolsa nacional. Passou de 9,5 mil milhões para 17,5 mil milhões de euros.

Nos últimos 10 anos, com a junção da EDP Renováveis, a EDP viu os capitais próprios crescerem 12,8 mil milhões de euros. Inclui o aumento de 6,1 mil milhões de capitais próprios da EDP, mais o contributo de 6,1 mil milhões de euros da EDPR.

Entre as empresas que integravam o PSI-20, em finais de 2013, e as que faziam parte do índice em 2004, só a Jerónimo Martins, PT Multimédia/NOS e Impresa é que conseguem um reforço percentual dos capitais próprios superiores aos da EDP.