O PSI20, principal índice da bolsa portuguesa, caiu hoje 4,07% para 5.579,68 pontos, por entre uma Europa no vermelho, e com o BCP a afundar mais de 15%.

A bolsa portuguesa foi a que mais caiu na praça europeia, com os 18 títulos em terreno negativo.

O setor bancário liderou as perdas, com o BCP a derrapar 15,07% para 0,879 euros, o BPI desvalorizou 8,83% para 1,25 euros e o Banif perdeu 5,88% para 0,008 euros.

A construtora Mora-Engil caiu 6,44% para 4,182 euros, tendo sido o terceiro título a registar maior queda na sessão de hoje.

A Portugal Telecom (PT) recuou 5,62% para 1,445 euros, no dia em que a Oi apresentou resultados do segundo trimestre, consolidando já as contas da operadora portuguesa, na sequência do aumento de capital feito pela empresa brasileira a 05 de maio.

A Oi registou um prejuízo de 221 milhões de reais (cerca de 73 milhões de euros, à taxa de câmbio atual), no segundo trimestre.

No mesmo período, as receitas dos negócios de telecomunicações em Portugal, ou seja, da PT, ascenderam a 1.853 milhões de reais, o que representa um aumento de 9,5% face a igual período de 2013, o que reflete o impacto favorável do câmbio, refere a Oi no comunicado de divulgação de resultados.

Já as receitas medidas em euros ascenderam a 606 milhões de euros no trimestre, o que representa uma quebra de 3,4%.

Também hoje, em declarações à Lusa, o ministro da Economia, António Pires de Lima, classificou de inexplicáveis os acontecimentos relativos ao BES e PT e admitiu que a situação teve repercussões na reputação do país, mas espera que sentimento positivo sobre economia portuguesa acabe por prevalecer.

A atual situação do mercado de capitais português, com a bolsa a registar perdas, "espelha, do meu ponto de vista, a grande desilusão com a situação do BES e também aquilo que é a desfaçatez verificada na PT [Portugal Telecom]", disse o ministro.

«Os investidores, naturalmente depois de terem percebido ao longo dos últimos meses a evolução do caso do BES e terem verificado as atitudes que se verificaram ao nível da administração da PT, reagem negativamente. Penso que têm de fazer a digestão de tudo aquilo que se passou», acrescentou o governante.

Ainda a perder mais de 5% estiveram a EDP Renováveis e a construtora Teixeira Duarte.

A recuar mais de 4% estiveram quatro títulos: Impresa, NOS, CTT e EDP, enquanto a Semapa e a Sonae desvalorizaram mais de 3%.

A Jerónimo Martins foi a ação que menos perdeu (-0,05% para 10,295 euros), com a Galp Energia, Altri e Ren a perderem mais de 1% e a Portucel a desvalorizar mais de 2%.

As principais bolsas europeias encerram em terreno negativo, com os receios de uma eventual intervenção da Rússia na Ucrânia e depois das encomendas à indústria na Alemanha terem caído inesperadamente.

Sensivelmente à mesma hora do fecho das praças europeias, os mercados norte-americanos seguiam em terreno negativo.