O Credit Suisse confirmou esta terça-feira que desenhou os títulos financeiros usados para financiar as sociedades do Grupo Espírito Santo e vendidas posteriormente nos balcões do BES, mas garante que não vendeu nem aconselhou os clientes a comprá-los.

A reação surge na sequência de uma notícia do Wall Street Journal, publicada no domingo, em que o jornal afirmava que os clientes não sabiam que os veículos de investimento continham emissões de dívida de várias empresas do grupo Espírito Santo e serviam como mecanismo para financiar grupo português.

Os títulos teriam sido vendidos através de veículos financeiros não relacionados ao grupo por, aparentemente, terem sede em paraísos fiscais.