Notícia atualizada às 22:40

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) proibiu nesta quarta-feira a venda a descoberto de ações do BCP durante todo o dia de quinta-feira.

A decisão do regulador dos mercados financeiros acontece depois de, na sessão de quarta-feira, as ações do banco terem derrapado 15,07% para 0,0879 euros, com 786 milhões de títulos transacionados no montante de 74,2 milhões de euros.

A bolsa portuguesa foi a que mais caiu na praça europeia, com os 18 títulos em terreno negativo. Foi, por isso, um dia de mini crash na bolsa portuguesa.

Nos considerandos justificativos da sua decisão, a CMVM destacou que «a flutuação do preço das ações em causa não pode excluir a ocorrência de um fenómeno de especulação com impacto negativo».

Um analista de banca contactado pela Agência Lusa, que pediu para não ser identificado, disse que, além dos efeitos do caso Banco Espírito Santo (BES) estarem a chegar aos restantes títulos da banca, os investidores também desconfiam das autoridades portuguesas, já que as declarações que garantiam a solidez do BES terminaram com o fim do banco, tal como era conhecido.

Por outro lado, acrescentou, os investidores estão a fugir dos títulos do setor financeiro, porque é grande o risco de perderem tudo no modelo agora encontrado para fazer face à possível falência de um banco.

O setor bancário liderou as perdas, com o BCP a derrapar 15,07% para 0,879 euros, o BPI desvalorizou 8,83% para 1,25 euros e o Banif perdeu 5,88% para 0,008 euros.