O Caixa Banco de Investimento (BI) retomou a cobertura da Mota-Engil com uma recomendação de ‘Comprar’ e um fair value de 4,6 euros por ação para o final de 2015, que confere ao título um potencial de valorização de 45%.

«A grande carteira de encomendas, de 4.400 milhões de euros (ME), aliada ao pipeline africano de 10.000 ME e as potenciais sinergias da compra da EGF constituem os riscos de subida face às nossas estimativas», referiu o Caixa BI, citado pela Reuters.

Adiantou que «por outro lado, o impacto potencialmente negativo da evolução adversa do preço das commodities, assim como, a dívida e as necessidades de fundo de maneio evidenciadas ao longo de 2014, aumentam ainda mais o perfil de risco da Mota-Engil e deverão ser tidas em conta na avaliação do título».

Desde a passada quinta-feira, dia em que publicou os resultados dos nove meses de 2014, até ao mínimo de mais de um ano fixado ontem, a cotação da Mota-Engil caiu 27%, dadas as preocupações em torno do aumento da dívida.
A dívida líquida da maior construtora portuguesa disparou para 1.246 ME no fim de Setembro de 2014, ou seja uma subida de 28% face a 972 ME no final de 2013, tendo as necessidades de fundo de maneio subido 330 ME, no mesmo período.

«Embora a evolução das necessidades de Fundo de Maneio e da Dívida reportada possa suscitar alguma apreensão, cremos esta que se encontra sobrestimada», frisou o analista José Mota Freitas, numa nota de research, segundo a Reuters.

Realçou que «a maior parte do aumento nas necessidades de Fundo de Maneio está relacionada com questões específicas geradas pelo início de novos projetos e irá gradualmente reverter para os elevados valores habituais».

«Retomamos a cobertura da Mota-Engil com uma recomendação Buy, dada a nossa estimativa de fair value de 4,60 euros no fim de 2015. A empresa oferece um apelativo upside de 45% aos níveis atuais», referiu.

Salientou que «os investidores dispostos a abraçar o atual potencial de valorização do título implícito na nossa avaliação, têm de ter presente o risco associado».

O Caixa BI iniciou ainda a cobertura da Mota-Engil Africa, subsidiária da construtora portuguesa para o mercado africano que está cotada na Bolsa de Amesterdão, com uma recomendação de ‘Reduce’ e um fair value de 9,10 euros.

As ações da Mota-Engil sobem 3,13% para 3,066 euros, enquanto as da Mota-Engil África recuam 10,5% para 8,824 euros.