A Espirito Santo Saúde, alvo de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) pelo grupo mexicano Ángeles, desiludiu com resultados pobres no segundo trimestre de 2014, tendo a performance operacional ficado aquém do previsto, segundo o BPI.

Os mexicanos da Ángeles oferecem 410 milhões de euros pela ESS e assumem a dívida de 184 milhões de euros.

A ESS teve um aumento homólogo do lucro de cerca de 11% no segundo trimestre de 2014, para 4,1 milhões de euros, suportado no crescimento das receitas com os cuidados de saúde privados e com a parceria público-privada do Hospital Beatriz Ângelo.

«Um conjunto pobre de resultados, tendo o EBITDA ajustado ficado 11,2% abaixo da nossa estimativa, devido a margens mais fracas que o esperado no negócio de saúde privado», referiu o BPI, realçando que as receitas saíram 0,4% acima das previsões, mas a margem EBITDA ficou 1,7 pontos percentuais abaixo.

«Ainda assim o lucro saiu apenas 1,8% abaixo das previsões, com a falha no EBITDA a ser compensada por impostos mais baixos, tendo a dívida atingido os 184 milhões, em linha com as expectativas.

O BPI adiantou que os proveitos operacionais aumentaram 4,3% para 99,5 milhões, ao passo que o EBITDA consolidado caiu para 12,9 milhões de 14,6 milhões no período homólogo de 2013, o que levou a margem EBITDA a recuar para 12,9%, versus 15,3%.

«Não há razões para alterarmos as nossas estimativas, nesta altura. Acreditamos que este conjunto de resultados não levam a uma alteração material da nossa posição relativamente à ESS, dado que a performance abaixo do esperado da margem é explicada por fatores não-recorrentes», frisou o BPI.

O BPI tem uma recomendação de Neutral para a ESS com um preço-alvo de 3,954 euros.