As bolsas europeias até começaram a manhã em alta, tocando máximos de um mês, mas foi sol de pouca dura. Pouco depois, todas negociavam em queda, e as perdas chegavam a 1,3%, no caso de Madrid.

O dia ficará marcado pela apresentação em Bruxelas da proposta da Comissão Europeia para o mecanismo único de resolução dos bancos.

Em Lisboa, o PSI20 também inverteu pouco depois da abertura e cai 0,33% para 5.508,36 pontos, com a banca a pressionar. O BPI desce 2,69% para 91 cêntimos e o BES recua 1,59% para 62 cêntimos, mas é o Banif quem volta a liderar as quedas da praça: afunda 6,94% para 6,7 cêntimos, depois de já ontem ter perdido mais de 16%. São os reflexos do aumento de capital em curso, através do qual o banco espera angariar 100 milhões de euros.

A operação passa pela emissão de novas ações, que estão a ser vendidas a apenas um cêntimo cada, o que torna as atuais ações muito menos atrativas. Muitos investidores optam por vender as ações que tinham para comprar as novas, muito mais baratas.

Na banca, merece ainda destaque o ganho do BCP, que é o maior da tabela do PSI20, e o único entre os bancos: as ações sobem 1,09% para 9,3 cêntimos.

No que toca aos restantes pesos pesados, a PT cai 1,23% para 2,82 euros e a Jerónimo Martins recua 0,78% para 15,89 euros, com a Sonae, neste mesmo setor, a perder 0,1%.

Na energia, a Galp desliza 0,22% para 11,63 euros, mas a EDP ajuda a impedir um cenário pior, subindo 0,87% para 2,44 euros.