O índice de referência de Portugal cai 0,3%, numa sessão de Bolsa volátil, com os investidores a guardarem posições, dias antes de um referendo que poderá ser decisivo para o futuro da Grécia e sua permanência no euro.

A EDP Renováveis sobe 0,5%. A utility fechou um acordo com o MUFG Union Bank e outro investidor institucional para um financiamento tax equity de 117 milhões de dólares, em troca de um interesse económico num parque eólico na Califórnia.

A telecom NOS sobe 0,5% e a Mota Engil 1,2%. A construtora encaixou 74,2 milhões de euros (ME) numa emissão de obrigações com maturidade em 2020, visando financiar a atividade corrente e expansão internacional e reduzir o custo da dívida.

A produtora de pasta de papel Altri ganha 0,7%. Pela negativa, destaque para o sector financeiro. O Millennium bcp perde 0,75%, o Banif 1,54% e o BPI 1%.

Os CTT descem 0,4% e a Pharol 1,5%.

Segundo a Reuters, o Eurofirst 300 e o Eurostoxx 600, dois índices de referência para a Europa, seguem em leve queda.

A Grécia falhou o reembolso de 1.600 ME que tinha, 30 de Junho, a última terça-feira, como prazo limite.

Ontem, o primeiro-ministro helénico, Alexis Tsipras, em tom desafiador, urgiu os gregos a rejeitarem as propostas dos credores, um dia dia após o país se ter tornado na primeira economia avançada a falhar o pagamento de um empréstimo ao FMI.

O Governo convocou um referendo para 5 de Julho, Domingo, para perguntar aos cidadãos se aceitam ou não contrapartidas como aumentos de impostos e cortes nas reformas, para receber novo financiamento.