O índice PSI20 recupera de dois dias de quedas e sobe 0,45%, apoiado nos ganhos da Banca, mas também dos pesos-pesados EDP e Jerónimo Martins, em sintonia com uma Europa, cujas empresas exportadoras beneficiam da depreciação do euro face à moeda norte-americana.

Entre os títulos de banca, as ações do BCP recuperam das quedas de ontem e ganham 1,1%.

O maior banco português cotado anunciou ontem que encaixou 304 milhões de euros (ME) com a venda acelerada de 15,41% da sua rentável unidade polaca Bank Millennium, fortalecendo os rácios de capital, embora afetando os resultados futuros.

O BCP anunciou que esta venda do polaco Bank Millennium MILP.PA foi feita a um preço de 6,65 zlotys por ação, reforçando o seu rácio de capital CET 1 fully implemented em 46 pontos base (pb).

«Recorde-se que o rácio CET I (fully implemented) do banco desceu 130 pb no quarto trimestre de 2014 para 8,9% no final de 2014. Atendendo ao foco do mercado nesta área, é nosso entendimento que o BCP poderá apresentar algumas medidas adicionais de melhoria da sua posição de capital no curto prazo», salientou André Rodrigues, citado pela Reuters.

Para o analista do Caixa Banco de Investimento, estas medidas podem passar pelo «lançamento de uma operação securitização, entre 1.000 e 1.500 ME, com um impacto em capital de 20 a 35 pb, ou através da venda de parte de sua carteira de dívida soberana, com um impacto máximo próximo de 65 pb».

As ações do BPI sobem 0,35% e as do Banif avançam 5,36%.

Suporte adicional dos pesos-pesados EDP e Jerónimo Martins, com subidas de 0,34% e 0,4%, respetivamente.

Em sentido contrário segue a Galp Energia, a cair 0,4%, em dia de quedas para o preço do petróleo nos mercados internacionais.

O Brent, referência global para o preço do crude, cai 2,1% para 57,96 dólares, após ter chegado a disparar 6% ontem, reagindo à operação militar lançada pela Arábia Saudita e pelos aliados do golfo árabe sobre o Iémen

A Arábia Saudita encabeça a operação contra rebeldes Shiitas que querem remover do poder o Presidente do Yemen. Os grupos atacados incluem também uma milícia Houthi que é apoiada pelo Irão.