Os investidores aplaudiram, esta quinta-feira, a evolução da situação grega, com as principais bolsas a registarem uma valorização, em média, de 1,5%, renovando assim máximos das últimas semanas. Milão liderou os ganhos (1,67%), seguida de Frankfurt (1,60%), Madrid (1,56%), Paris (1,47%) e Lisboa (1,33%).

Os mercados reagiram assim quer à aprovação, pelo parlamento grego, de algumas das medidas do terceiro resgate, quer à luz verde do Eurogrupo a um empréstimo intercalar de sete mil milhões de euros, que permitirá à Grécia cumprir com as suas obrigações junto do FMI e do BCE, e ainda ao anúncio por Mário Draghi, presidente do Banco Central Europeu, da cedência imediata de 900 milhões de euros de liquidez aos bancos gregos.
 

Juros da dívida pública em queda


Os juros da dívida pública da Grécia também reagiram com um forte alívio, para menos de 12% ( 11,697%)  tendência que foi seguida pelos restantes países periféricos, Portugal incluído. Os juros das obrigações do tesouro portuguesas a 10 anos fecharam a 2,682%.
 

Banca puxa Bolsa de Lisboa


A Bolsa de Lisboa ganhou 1,33%, para 5.890,24 pontos, puxada pelos títulos da banca, que seguiram a tendência europeia no setor. O BPI valorizou 4,026%, para 1,1370 euros, o Banif 3,125%, para 0,0066 euros por ação, e o Millennium BCP ganhou 1,854%, para 0,0824 euros.