As bolsas europeias voltaram a acumular ganhos esta quarta-feira, estendendo os máximos de três semanas registados ontem. Milão voltou a liderar as subidas, trepando 1,33%.

Os investidores continuam otimistas quanto a uma solução pacífica para o caso da Síria. Os EUA adiaram ameaça de ataque ao país e ganha força a solução sugerida pela Rússia, de desmantelamento do arsenal químico, que deverá ser entregue à comunidade internacional.

Em Lisboa, o PSI20 também subiu 0,23% para 6.045,78 pontos, renovando máximos de um mês.

A PT e a energia situaram-se entre as maiores subidas: a operadora avançou 0,7% para 3,17 euros. Já a Galp ganhou 0,69% para 13,22 euros, depois de ontem ter sido penalizada pela notícia de que um dos seus poços na Namíbia foi declarado seco. Hoje alguns analistas consideraram que a notícia tem um efeito neutral nos resultados da empresa, até porque o encerramento do poço era já esperado. Por seu lado, a EDP subiu 0,19% para 2,72 euros.

Na banca, BCP e BPI encerraram estáveis, nos 9,9 cêntimos e nos 94 cêntimos, respetivamente. O BPI emitiu uma nota em que estima que os resultados do BCP regressem ao equilíbrio este semestre e aos lucros no ano que vem.

O BES, por seu lado, caiu 0,24% para 84 cêntimos, sendo o único dos pesos pesados a fechar em queda.

Apple desilude

Nos EUA, apenas o índice Nasdaq segue em queda, a perder 0,43%, pressionado sobretudo pela Apple, que afunda 5,77% para 466,12 dólares, após ter apresentado ontem os novos iPhones, que desiludiram os investidores. A marca anunciou duas novas versões, o 5C e o 5S, mas os analistas consideram que os preços anunciados não permitirão aos aparelhos serem competitivos em mercados emergentes como a China nem competirem com os equipamentos fabricados nos mercados asiáticos, que são consideravelmente mais baratos.

O Dow Jones, pelo contrário, sobe 0,58%, e o S&P 500 avança 0,05%.