Os investidores vão estar esta semana atentos a vários indicadores de atividade económica e a dados macroeconómicos que serão divulgados nos dois lados do Atlântico, segundo um analista do BCP.

Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium investment banking, antecipa que a semana seja marcada pelos números do PMI Indústria da zona euro relativos a agosto, esperando-se uma subida.

Esta semana é divulgado o Índice de Preços no Produtor (IPP) na zona euro, esperando-se uma subida tanto mensal como homóloga, e será conhecido o indicador PMI Construção de agosto que deverá acelerar.

Ainda na zona euro, durante a semana vão ser divulgados o valor final do PMI Serviços de agosto, esperando-se uma interrupção de 18 meses de contração, e os números das vendas a retalho, que deverão subir em julho face a junho mas cair em termos homólogos.

Nos Estados Unidos, vão ser divulgados o índice ISM Indústria, com o mercado a antecipar um abrandamento do crescimento, e os números da balança comercial norte-americana, que deverá ter agravado o défice em julho.

Na quinta-feira vão ser conhecidas as decisões do Banco Central Europeu e do Banco e Inglaterra quanto às taxas de juro diretoras, sendo que o analista Ramiro Loureiro estima que os bancos centrais «devem agir sem surpresa e manter a respetiva taxa de juro inalterada, nos 0,5%».

No entanto, alerta, «os investidores querem perceber quais os planos dos bancos centrais para sustentar as economias no velho continente, que agora começam a mostrar sinais de regresso ao crescimento».

Em Portugal, será conhecido o valor final do PIB no segundo trimestre deste ano, sendo que a estimativa preliminar do Instituto Nacional de Estatística (INE) apontou para um crescimento em cadeia de 1,1% e uma queda homóloga de 2%.

No mercado da dívida pública, França vai emitir títulos a três, seis e 12 meses, num montante global indicativo de 7,6 mil milhões de euros, e a Alemanha vai emitir obrigações a cinco anos, num valor indicativo de cinco mil milhões de euros.