A Bolsa de Atenas fechou a sessão desta quarta-feira a afundar quase 10%, a refletir os receios dos investidores quanto ao futuro, depois do primeiro-ministro ter anunciado medidas que entram em confronto com o acordado com o programa da troika para o país.

Desde que o Syriza venceu as eleições, no passado domingo, a Bolsa de Atenas já desvalorizou 15%.

No mercado secundário, os juros da dívida a 10 anos dispararam um ponto percentual, fixando-se agora nos 10,7%.

As bolsas europeias também estão a ser arrastadas pela incerteza e, a cerca de meia hora do fecho, negoceiam em terreno negativo. Exceção feita a Frankfurt, que sobe 0,5%.

Lisboa é a praça que mais perde, 1,7%, Madrid cai 1,4%, Milão desce 0,8% e Londres desliza ligeiros 0,1%.

Alexis Tsipras  prometeu que vai renegociar a dívida com os credores, procurando uma «solução viável» e com «benefícios mútuos». 

Entretanto a Comissão Europeia já veio reiterar que os compromissos assumidos pela Grécia deverão ser cumpridos.

O novo ministro das Finanças grego vai reunir-se na sexta-feira, 30 de Janeiro, com o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem. No curto prazo vai também reunir-se com o seu homólogo francês, Michel Sapin, e com o italiano, Pier Carlo Padoan.