A Bolsa de Lisboa segue na linha de água, com as subidas da banca e da EDP a serem contrabalançadas pelas quedas dos pesos-pesados Galp e Jerónimo Martins, face a uma Europa em leve alta, enquanto a yield soberana alivia em dia de leilão de dívida.

Portugal vai esta manhã aos mercados para colocar até 750 ME Bilhetes do Tesouro (BT), com maturidade a 12 meses.

De acordo com a Reuters, as yields dos juros soberanos de Portugal, no mercado secundário, aliviam dois pontos base para 2,81%, após o mínimo de sempre tocado nos 2,8%.

O índice PSI20 cai 0,04%, com 8 dos atuais 18 títulos em queda.

Os pesos-pesados que ontem brilharam, Galp Energia e Jerónimo Martins, fazem hoje uma ligeira correção.

A energia cai 0,31% para 9,777 euros e a retalhista desce 0,32% para 8,468 euros.

Pressão adicional, das ações da PT SGPS, que recuam 0,65% para 1,386 euros.

Na passada segunda-feira, a empresária angolana, Isabel dos Santos, entregou o pedido de registo da OPA geral sobre esta empresa, mantendo inalterada a contrapartida de 1,35 euros por ação.

Em sentido contrário segue a família EDP, com a Energias de Portugal a subir 0,33% e a EDP Renováveis a ganhar 0,88%.

Na banca o cenário também é de ganhos, estando o Banif a subir 1,49%, o BPI a avançar 0,46% e o Millennium bcp a ganhar 0,49%.

Duas fontes financeiras disseram à Reuters, que o BCP deverá esperar até ao final do ano pela resposta do regulador ao plano de capital elaborado, para depois decidir se vende uma participação da sua subsidiária polaca, de forma a reforçar o seu capital.

O banco nacional, que controla atualmente 65,5% da subsidiária Bank Millennium, está a considerar alienar pelo menos 10%, embora mantendo sempre o controlo.

Nota positiva também para a Impresa, a valorizar 3,68% para 0,985 euros.

Os principais índices bolsistas europeus seguem em alta ligeira, com ganhos de até 0,14&, com o sector das telecoms em destaque, após as nórdicas Telenor e TeliaSonera terem anunciado a fusão das operações dinamarquesas.