O índice de referência nacional desce 0,55%, pressionado pela Galp, e acompanha o movimento europeu, resultado de quedas nos títulos do setores do petróleo e de outras matérias-primas, referem os analistas.

As ações da Galp Energia caem 1,53% e são as que pesam mais no PSI20, castigadas por novas quedas nos preços do crude.

Nota negativa também para a EDP e os CTT com desvalorizações de 0,77% e 1,42%, respetivamente.

A EDP Renováveis caem 0,87%, apesar da eólica esta manhã ter anunciado que o lucro líquido teve um disparo homólogo de 32% para 167 milhões de euros (ME) em 2015, mais do que previsto pelos analistas, apoiado nos aumentos da produção e do preço médio de venda e no dólar forte.

Pela positiva, a telecom NOS avança 0,75%, a Sonae ganha 0,44% e a Altri soma 0,41%.

No mercado de dívida, a 'yield' da dívida soberana portuguesa a 10 anos cai 9 pontos base (pb) para 3,30%, e a das obrigações a dois anos afunda 37 pb para 0,49%, após o Tesouro ter agendado para amanhã um leilão de recompra de Obrigações de três séries que vencem nos próximos três anos.

O IGCP referiu, em comunicado, que o montante indicativo global da recompra está "sujeito às condições de mercado". 

Crude e cobre

O índice Eurofirst300, que agrupa as 300 maiores cotadas europeias, perde 1,12%, com as quedas das principais bolsas a variarem entre os 0,34% de Viena e os 2,19% de Atenas.

O preço do barril de Brent continua a descer, hoje cai 1,23% para 32,9 dólares, após a Arábia Saudita ter dito que um acordo para cortar a produção não vai acontecer, pois vários países produtores não querem participar.

O índice sectorial Stoxx Europe 600 Oil&Gas desce 1,7%.

O equivalente para as matérias-primas, o Stoxx Europe 600 Basic Resources tem uma queda ainda mais pronunciada, de 2,93%, com o preço do cobre a ser penalizado por novos receios sobre a procura chinesa.

O euro desvaloriza 0,15% face à moeda norte-americana para 1,10 dólares.