O índice de referência PSI20 encetou esta segunda-feira uma leve recuperação de 0,25% face à sessão anterior, quando tocou um mínimo de dois anos, recebendo da Jerónimo Martins e da Galp Energia o maior suporte, numa sessão em que o prémio de risco soberano de Portugal agrava 10 pontos base.

No mercado secundário de dívida soberana, as obrigações do tesouro (OT) de Portugal, que, na sessão anterior tocaram num mínimo de sempre nos 2,94%, agravam face à última sessão, subindo para os 3,07%.

Na sexta-feira, após o fecho de mercado, a agência de notação Fitch manteve o rating de Portugal em «BB+» com outlook positivo, um nível abaixo de investment grade, referindo que o país está no caminho certo para restabelecer o equilíbrio da sua economia.

Alguns investidores esperavam que a Fitch se tornasse na primeira das três grandes agências globais de notação financeira a elevar Portugal acima de «lixo», o que não se verificou.

Quanto às cotações, as subidas de 1,46% da Jerónimo Martins e de 0,69% da Galp Energia foram as que mais suportaram.

A performance operacional da Galp no terceiro trimestre surpreendeu favoravelmente os analistas, em especial a inversão de tendência da margem de refinação que passou a positiva, abrindo boas perspetivas para os resultados, nota a Reuters.

Também em destaque pela positiva, o Millennium bcp avançou 0,11% e o BPI 2,35%.

O Banco Central Europeu (BCE) disse hoje que vai publicar a 26 de Outubro a sua «avaliação completa» ao balanço dos 130 maiores bancos europeus, incluindo três bancos portugueses, que terão duas semanas para apresentar planos de reforço do capital, se «chumbarem» neste crucial teste.

A banca foi animada pela perspetiva de passar os testes do Banco Central Europeu (BCE).

A EDP fechou a perder 0,18%. De acordo com a Reuters, hoje, o Credit Suisse disse que a EDP continua a ter um dividend yield atrativo, face ao sector, mas alertou para um aumento do risco regulatório em Portugal.

As ações da Portugal Telecom fecharam a recuar 0,14%.

Europa indefinida

Os mercados europeus esboçaram uma recuperação durante grande parte da sessão mas os ganhos esbateram-se com a abertura negativa de Wall Street. O S&P500 tocou em mínimos de cinco meses.

Os índices europeus variaram entre um ganho de 1% de Viena e a descida de 0,3% de Milão e Amesterdão. O índice eurofirst 300, que segue as 300 maiores empresas cotadas na Europa, avançou apenas 0,07%.