A bolsa de Lisboa registou o melhor comportamento entre as principais bolsas europeias, num dia em que apenas Madrid a acompanhou nos ganhos. O PSI20 subiu 1,07% para 6.044,75 pontos.

Depois do alívio sentido pelo facto de a Reserva Federal ter mantido inalterados os estímulos à economia na reunião desta semana, os investidores deixaram-se assustar pelas declarações do presidente do banco central de St. Louis, que deu a entender que um corte pode ser anunciado já em outubro.

Em Lisboa, a PT destacou-se, ao liderar a tabela e ao disparar 5,23% para 3,42 euros. A empresa beneficiou de uma nota do banco Bernstein, que subiu o preço alvo das suas ações para 4,50 euros. Face ao fecho desta sexta-feira, este valor representa um potencial de valorização de cerca de 30%. De acordo com a análise do banco, a operadora brasileira Oi, participada da PT, pode beneficiar da eventual venda da TIM, naquele mercado, pela Telecom Itália, especialmente se a operadora for desmantelada após a alienação, como prevêem alguns analistas.

No setor das comunicações, também a Zon merece referência, tendo subido 2,72% para 4,38 euros por ação.

A banca voltou a ajudar a impulsionar a praça, num dia em que os juros da dívida pública no mercado secundário voltaram a baixar, embora se mantenham, no prazo a 10 anos, em valores próximos dos 7,2%.

O BPI ganhou 1,39% para 95 cêntimos, o BCP trepou 1,03% para 9,5 cêntimos e o BES avançou 0,85% para 83 cêntimos.

Nota ainda no verde para a energia, onde a Galp fechou em alta de 0,52% para 12,55 euros e a EDP em alta de 0,3% para 2,71 euros.