O índice acionista de referência português fechou a perder 1,21%, pressionado pelas energéticas e pelo sector do retalho, a acompanhar as quedas na Europa, numa sessão em que os títulos da PT SGPS estiveram suspensos.

O índice eurofirst 300, que segue as 300 maiores cotadas no continente, caiu 1,66%, com a banca a arrastar os índices para o vermelho após um aumento de capital do peso-pesado espanhol Santander.

A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu, ainda antes da sessão, a negociação da PT SGPS, exigindo mais informação para que os acionistas da telecom possam tomar uma decisão de forma «ponderada e esclarecida» na Assembleia Geral (AG) de segunda-feira, relembra a Reuters.

Esta crucial AG, que visa decidir a venda da PT Portugal à francesa Altice, está rodeada de incertezas e poderá culminar num penalizador impasse para os acionistas da PT SGPS e para a brasileira Oi.

O presidente da mesa da AG da PT SGPS defende o fim dos contratos entre esta e a sua parceira Oi para uma fusão, dado terem sido incumpridos após a empresa brasileira ter acordado vender ativos portugueses da PT Portugal à Altice.

Entretanto, também o Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Portugal Telecom quer os acionistas da PT SGPS coloquem um ponto final na fusão com a brasileira Oi, dado que esta violou o acordo original quando avançou com a venda dos ativos nacionais da PT Portugal à Altice.

A EDP-Energias de Portugal desceu 1,83%, enquanto a subsidiária para as energias limpas', EDP Renováveis, perdeu 1,05%, e a Galp Energia desvalorizou 1,74%.

As retalhistas corrigiram as fortes subidas de ontem, suportadas no disparo da britânica Tesco. A líder Sonae perdeu 1,08% e a número dois, Jerónimo Martins, caiu 1,98%.

Na banca, o BPI afundou 5,81%, o Banif caiu 1,64% e o Millennium bcp desceu 1,76%.

Pela positiva, destaque para a telecom NOS que avançou 1,43%, e uma subida de 0,15% da produtora de pasta de papel Altri.

Por fim, as restantes bolsas europeias fecharam em queda, com a pressão do sector da banca a contrariar um curto alívio após a divulgação de dados positivos da criação de emprego nos EUA.