O disparo de 6,8% da retalhista Jerónimo Martins foi o principal suporte dos ganhos na Bolsa de Lisboa, apoiada ainda na recuperação da banca, enquanto os CTT inverteram para terreno negativo após terem anunciado que estão a acompanhar o processo de venda da PT Portugal.

O incumbente postal referiu que analisará todas as oportunidades que criem valor para os seus acionistas e tenham uma dimensão compatível, mas não tomou qualquer decisão.

A revista brasileira «Veja» referia esta manhã que os CTT podiam entrar na corrida à compra dos ativos portugueses que passaram a ser detidos pela brasileira Oi, no âmbito da fusão com a Portugal Telecom, lembra a Reuters.

Lembra ainda que ontem, os fundos Apax Partners e Bain Capital avançaram com uma oferta conjunta de 7.075 ME pelos ativos portugueses PT Portugal, à brasileira Oi.

As ações dos CTT fecharam a cair 0,13% para 7,471 euros e as da Portugal Telecom escorregaram 0,07% para 1,449 euros.

Contudo, a estrela da sessão foi a retalhista Jerónimo Martins que fechou a valorizar 6,82% para 8,549 euros, impulsionada pelo ambicioso plano de crescimento traçado para a sua subsidiária polaca.

Num apresentação feita hoje, no âmbito do Biedronka's Day, a JM anunciou que mantém a prioridade do crescimento das vendas da Biedronka, visando atingir os 11.000 milhões de euros (ME) em 2017, prevendo investir entre 700 e 800 ME, apesar do desafio da deflação que pesará nas margens.

«Olhando para as linhas principais, o objetivo de vendas é superior ao que o mercado esperava e, por outro lado, a JM tem sido um título muito castigado», realçou Albino Oliveira, analista da Fincor, à Reuters.

Suporte adicional da banca, que recupera do tombo de ontem, tendo o Millennium bcp subido 2,81% para 0,0731 euros e o BPI ganho 3,64% para 1,425 euros.

Nota positiva também para a líder do retalho em Portugal, Sonae, que ganhou 1,5% para 1,074 euros, beneficiando do forte crescimento do lucro nos nove meses de 2014, para 95 ME, devido ao aumento das vendas e melhores resultados da subsidiária Sonae Sierra, apesar da ‘guerra de preços’ nos sectores alimentar e de telecoms.

A EDP ganhou 0,69% para 3,219 euros, enquanto a Galp acompanhou as quedas das pares europeias e recuou 0,68% para 11,03 euros.

O índice PSI20 fechou a subir 1,07%, com 7 dos atuais 18 títulos em alta.

As principais bolsas do Velho Continente fecharam com subidas de até 1,29% em Atenas, a recuperar do sell-off de ontem, impulsionadas pelos bons resultados da telecom Iliad e do grupo financeiro belga KBC, mas com a queda do preço do petróleo a pressionar o sector energético.