A Bolsa de Lisboa fechou com uma subida de 0,5%, com a família EDP a perder fôlego face aos máximos do dia e o Millennium bcp a afundar mais de 4%, castigado por um novo corte de preço-alvo, face a uma Europa sem tendência definida, disseram dealers.

A Energias de Portugal subiu 1,64%, após ter chegado a disparar mais de 5%, e a subsidiária eólica EDP Renováveis ganhou 1,75%, com o mercado a aplaudir as novas metas de crescimento do grupo para o período 2016-2020.

A empresa prevê um aumento médio anual de 4% no lucro líquido, enquanto investe 1.400 milhões de euros anuais, sobretudo nas eólicas e nos EUA, melhorando ainda o dividendo mínimo.

O suporte adicional da da Navigator que subiu 2,13%, da telecom NOS que ganhou 1,08%, da Sonae a subir 1,06% e da Sonae Capital que trepou 1,87%.

As acções da Galp Energia avançaram 1,23%, num dia em que o preço do petróleoo volta a disparar.

Nota ainda para a valorização de 2,76% da Altri, que apresentou contas esta tarde.

O lucro da empresa teve uma subida homóloga de 13,4% para 25,1 milhões de euros (ME) no primeiro trimestre de 2016, em linha com o previsto, impulsionado por um forte crescimento operacional, apesar da descida dos preços da pasta de papel.

Pela negativa destacou-se a banca, tendo o BPI fechado a descer 0,72% para 1,11 euros, levemente abaixo preço da OPA oferecido pelo Caixabank, enquanto Millennium bcp afundou 4,32%, em linha com as quedas da banca europeia e após mais um corte de preço-alvo.