A Bolsa de Lisboa desce 0,8%, pressionada pelas quedas da EDP, BPI e PT SGPS, em contraciclo com as subidas das pares europeias, com os investidores aplaudem o crescimento das vendas a retalho na Alemanha.

Segundo a Reuters, as ações da EDP recuam 2,83%, após a José de Mello Energia ter anunciado ontem que vai vender ações correspondentes a cerca de 2% do capital da Energias de Portugal, através de um processo de accelerated bookbuilding.

Adicionalmente, a utility portuguesa anunciou que a venda de eletricidade no importante mercado da Península Ibérica contraiu 0,7% em 2014 face ao ano anterior, impactado negativamente por temperaturas mais amenas em Portugal.

A distribuição de eletricidade na Península Ibérica contraiu para 57.287 gigawatts hora (GWh), penalizado pela queda de 0,9% em Portugal para 48.110 GWh.

Pressão adicional do BPI que surpreendeu com um prejuízo superior ao previsto de 161,6 milhões de euros em 2014, penalizado por resultados não-recorrentes em Portugal, como menos-valias da venda de dívida pública portuguesa e italiana e reembolso de CoCo's. O título cai 2,2%.

O segundo maior banco cotado português adiantou ainda que tem acionistas fortes que o capacitam a levantar fundos para uma eventual compra do Novo Banco.

A pesar no índice de referência nacional estão ainda a Jerónimo Martins, com uma queda de 1,8%, e a PT SGPS a recuar 3,95%.

A brasileira Oi, na qual a telecom portuguesa detém 25,6%, afundou 4,62% na Bolsa de São Paulo.

Pela positiva, destaque para a subida de 2,4 pct do Millennium bcp e de 1,2% dos CTT, enquanto a Galp segue estável em 9,42 euros.

Nos mercados internacionais, o preço do barril de Brent desce 0,1% para 49,07 dólares, enquanto o de Crude sobe 0,49% para 44,78 dólares.