A bolsa de Lisboa voltou esta sexta-feira a fechar no vermelho. O PSI20 caiu 0,8% para 5.409,55 pontos, com apenas três empresas em alta.

O grande destaque no verde foi a PT, que disparou 7,28% para 1,47 euros, depois de o presidente da empresa, Henrique Granadeiro, ter ontem apresentado a demissão. A saída do CEO acontece depois de a PT não ter conseguido recuperar os 900 milhões de euros emprestados à Rioforte, do Grupo Espírito Santo.

O setor financeiro, no entanto, voltou às quedas e foi mesmo o grande responsável pela queda da praça.

Os investidores continuam a olhar com apreensão para o modelo usado no resgate do BES, que impôs pesadas perdas a acionistas e obrigacionistas do banco, e que atribui aos restantes bancos da praça a responsabilidade de reembolsar o empréstimo de 4,4 mil milhões de euros ao Estado.

O BPI caiu 2,42% para 1,21 euros, o BCP deslizou 3,57% para menos de 8,4 cêntimos, e o Banif recuou 4,17% para 0,7 cêntimos.

Com a queda mais acentuada, fechou a Teixeira Duarte, que tem estado também em destaque pela negativa. A construtora perdeu mais 6,07% para 65 cêntimos.

Nota negativa ainda para as ações da energia e do retalho. Na energia, a EDP caiu 1,37% para 3,09 euros, a REN cedeu 1,85% para 2,50 euros e a Galp deslizou 0,6% para 12,40 euros.

Já no retalho, a Jerónimo Martins perdeu 0,74% para os 10,06 euros e a Sonae SGPS recuou 1,13% para 1,054 euros.

No resto da Europa, as praças fecharam divididas. Milão e Madrid recuperaram 0,33 e 0,26%, respetivamente, mas Paris perdeu 0,05%, Frankfurt caiu 0,33% e Londres 0,45%. Os mercados foram pressionados pela tensão no Iraque.

Nos EUA as coisas correm um pouco melhor. Os índices Dow Jones e S&P sobem quase 0,4% cada um e o Nasdaq avança 0,14%.