A Bolsa de Atenas abriu esta terça-feira a recuar 4,48%, na segunda sessão de perdas após cinco semanas sem negociar. O setor da banca continua a ser o que regista maiores perdas, com descidas superiores a 20%.

Na segunda-feira, a bolsa de Atenas encerrou a perder 16,23%, mas chegou a tombar 23%, com o setor da banca, que representa cerca de 20% do índice, a cair 30%, o máximo permitido pelo regulador helénico.

A queda já era esperada pelos analistas, até porque a crise grega ainda não esta resolvida. Credores e Atenas continuam a negociar os termos e condições de um terceiro resgate, enquanto os bancos já abriram portas mas continuam com controlo de capitais.

É já no dia 20 que a Grécia tem de pagar 3,4 mil milhões de euros em juros e capital, referentes às obrigações do tesouro a cinco anos que estão na posse do Banco Central Europeu.

Os bancos gregos enfrentam uma situação de grande vulnerabilidade devido ao levantamento de milhares de milhões de euros de depósitos ao longo dos últimos seis meses.  

Cerca de 40 mil milhões de euros foram retirados dos bancos gregos desde dezembro, de acordo com a associação de bancos grega, e as quatro maiores instituições de crédito - Banco Nacional, Pireu, Alpha e Eurobanco - vão ser sujeitos a uma análise à qualidade do balanço dos seus ativos no final do mês.