O Grupo BES teve prejuízos de 527,6 milhões de euros no exercício de 2013, um ano marcado pela redução do produto bancário (-26,3%) e pelo reforço das provisões para imparidades (+18,6%).

Os resultados de mercados e diversos, apesar de positivos em 172,1 milhões, ficaram abaixo do registo do ano anterior (-69,8%), que beneficiou da redução significativa das yields

da dívida pública portuguesa, sublinha o grupo no comunicado enviado à CMVM.

Os custos operativos apresentam uma redução de 1,1% (-2,0% em base comparável), com a atividade doméstica a evidenciar uma redução de 3,8% (-5,3% em base comparável).

Já reforço do provisionamento para imparidades, devido à conjuntura económica recessiva dos últimos anos, elevou-se a 1422,8 milhões de euros, o qual incorpora os ajustamentos decorrentes do¿Exercício Transversal de Revisão das Imparidades dos Créditos Concedidos (ETRICC)¿ solicitado pelo Banco de Portugal, exigindo um reforço adicional de 28,7M€ e a reavaliação de imóveis realizada nos termos definidos na Carta-Circular 11/13/DSPDR do Banco de Portugal, com um impacto de 52,9milhões.

O grupo sublinha ainda o programa de racionalização e redução gradual de custos operacionais, que está em vigor até 2015, sendo que os objetivos estabelecidos apontam para um redução de 3% em 2013, 5% em 2014 e 6% em 2015.

«A evolução dos custos domésticos coloca em evidência a concretização do objetivo traçado para este exercício, tendo sido alcançada uma diminuição de 3,8% e vem consolidar as economias alcançadas nos últimos três exercícios traduzidas numa redução de custos de 15%», adianta o BES.