Bastaram 8 cotadas para que o PSI-20 encerrasse a sessão a descer ligeiros 0,16% nos 6.887,90 pontos, pressionado pelas quedas do setor da banca.

O BCP caiu 5% para os 0,13 euros, no dia em que a agência de notação Moodys elogiou o aumento de capital feito pelo banco.

Já o BES desce 3,9%, com cada ação a valer 0,70 euros, no dia em que o Governo afirmou que está a acompanhar «atentamente» a situação do grupo Espírito Santo. O Banco de Portugal também se pronunciou sobre o BES esta quinta-feira, afirmando que o banco se encontra numa situação de solvabilidade «sólida», que foi reforçada com o recente aumento de capital, acrescentando que está a acompanhar de perto a situação.

A PT também continua a acumular perdas, desceu 7,3%, fixando o preço das ações em 2,29 euros. As perdas acontecem desde que veio a público a compra de dívida de curto prazo no valor de 900 milhões de euros à RioForte, holding do BES. A cotada já perdeu cerca de 20% em bolsa desde que foi conhecida esta operação.

Também os CTT derraparam 2,9%, com as ações a valerem 6,95 euros.

Do lado dos ganhos, destaque para a Espírito Santo Financial Group, que trepou 18,9% para 1,66 euros, em contraciclo com a tendência de forte queda, com a cotada a ver-se arrastada pela situação no Grupo Espírito Santo.

Na Europa, as principais praças fecharam a sessão em terreno positivo, no dia em que o Banco Central Europeu decidiu manter as taxas de juro no mínimo histórico de 0,15%.

Madrid e Londres subiram 0,7%, Milão cresceu 0,95%, Paris ganhou 1,02% e Frankfurt trepou 1,2%.