O ministro da Energia da Argélia, Youcef Yousfi, apelou esta segunda-feira à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para diminuir a produção de forma a travar a queda dos preços e proteger os rendimentos dos seus membros.

«A OPEP deve intervir para corrigir os desequilíbrios, através do corte na produção para aumentar os preços e para defender os rendimentos dos seus países membros», disse, em declarações à agência APS, o ministro da Energia argelino, país em que o petróleo e o gás representam 95% das exportações, citado pela Lusa.

Na semana passada, os ministros do Petróleo da Arábia Saudita e do Kuwait indicaram que os seus países não vão reduzir a produção de petróleo, mesmo que o preço do barril de petróleo desça até os 20 dólares.

Youcef Yousfi explicou que a Argélia não pode partilhar a posição dos principais produtores de petróleo, que receiam que a redução da produção pela OPEP possa beneficiar os produtores não membros da organização.

Os preços do petróleo caíram para metade desde meados de junho, de 115 para 55 dólares por barril, devido ao efeito combinado do aumento da oferta, valorização do dólar e a quebra da produção, resultante da desaceleração da economia global.

Na Argélia, o petróleo é a principal fonte de receitas do Estado, representando cerca de 60% do orçamento.

O colapso do preço do petróleo já levou o Governo argelino a adotar um primeiro pacote de medidas de austeridade, congelando o recrutamento de funcionários.