Portugal é o quinto melhor país do mundo para ir viver e trabalhar. E é o primeiro, o melhor de todos, a nível europeu. O ranking Expat Insider da Internations, uma rede de 2,8 milhões de expatriados, refere-se a estas pessoas que decidem ir viver para outro país por questões profissionais. 

São vários os campos em que Portugal marca pontos e a subida de 2016 para 2017 foi um verdadeiro salto de trampolim: de 28º lugar para 5º entre 65 países. 

A qualidade de vida tem outra estrela. Portugal é um dos 'grandes vencedores', melhorando 23 posições, para o top do ranking"

Lendo o relatório facilmente percebemos como o país está em destaque, em várias áreas. A começar logo por os expatriados se sentirem muito bem recebidos (94%). Portugal está em primeiro lugar nesta categoria. 

Depois, porque as pessoas consideram que é fácil estabelecerem-se no país (88% contra 75% no ano passado). Isso deu um valente empurrão para que Portugal ocupe o 4º lugar nesta categoria. E o terceiro no que toca à felicidade. A simpatia das pessoas é sublinhada por 94% dos inquiridos.

Outros dados bastante relevantes:

  • 93% estão satisfeitos com a vida que levam em Portugal
  • 29% dizem que estão mesmo muito felizes com isso
  • 89% sentem-se genericamente felizes (77%)
  • 95% estão satisfeitos com as relações criadas (76% em 2016)
  • 74% dizem que foi fácil adaptarem-se à cultura local
  • 95% prezam muito a estabilidade política
  • 75% destacam a segurança

 

A acompanhar Portugal no top 10 estão, por esta ordem:

Bahrein
Costa Rica
México
Taiwan
Portugal
Nova Zelândia
Malta
Colômbia
Singapura
Espanha

Por outro lado, os dez piores países para expatriados são:

Grécia
Kuwait
Nigéria
Brasil
Arábia Saudita
Itália
Ucrânia
Qatar
Índia
Turquia

A Grécia está no fundo da lista, por causa dos problemas económicos que o país ainda enfrenta sendo que, à semelhança de Portugal, também foi intervencionada pela troika. 

A Austrália, que ficou entre os 10 melhores no ano passado, caiu mais do que qualquer outro país, para o 34º lugar neste ranking. Como? Explica-se pela evolução negativa nos empregos, perspetivas de carreira, horas de trabalho e equilíbrio entre vida profissional e pessoal. 

Os EUA e o Reino Unido estão em queda livre no ranking, depois da eleição de Donald Trump como presidente e da decisão do Brexit, respetivamente. A maior economia do mundo está na 43ª posição e UK na 54ª.

Há cerca de 50 milhões de expatriados em todos o mundo, desde rrabalhadores qualificados, a executivos, estudantes e aposentados. Prevê-se que possam aumentar para 60 milhões nos próximos cinco anos.