A Media Capital atingiu um lucro de 7,1 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, mais 30% do que nos primeiros seis meses de 2013, informou esta segunda-feira a proprietária da TVI.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Media Capital indica que no plano operacional, o resultado antes de juros, impostos, amortizações e depreciações (EBITDA)cresceu 9% em termos homólogos, na primeira metade deste ano, para 18,1 milhões de euros, registando uma margem de 20,4%.

«Esta performance resultou da subida de rendimentos operacionais (mais dois por cento), conjugada com a estabilização dos gastos», justifica.

Em termos publicitários, a Media Capital considera que teve um «desempenho superior em termos relativos». Os rendimentos consolidados de publicidade tiveram uma evolução positiva de 17% em termos homólogos, para 56,6 milhões de euros, enquanto se estima que o mercado tenha crescido cerca de 14%.

Já os outros rendimentos operacionais do grupo de media registaram um decréscimo de 17% no mesmo período, caindo para 16 mil milhões de euros. Em causa estão rendimentos de produção audiovisual, serviços multimédia e direitos de transmissão, «com o impacto a advir sobretudo do segmento de televisão, em concreto no que se refere a serviços multimédia», indica.

Na parte financeira, o EBITDA atingido pelo segmento de televisão decresceu 9% nos primeiros seis meses de 2014, face a igual período do ano passado, para 15,4 milhões de euros, com uma margem de 21,1%.

Em causa no segmento televisivo, esteve uma subida homóloga de 4% no rendimento operacional, enquanto os gastos operacionais aumentaram 8%. «Com efeito, tendo em atenção a perspetiva de melhoria do mercado de publicidade a TVI reforçou os gastos de programação, sobretudo aos níveis dos conteúdos de entretenimento, mas também de programação nacional, ao mesmo tempo que o aumento da concorrência levou ao incremento dos gastos associados a rendimentos de serviços multimédia», nota a dona da TVI.

O grupo afirma ainda que se manteve como líder de audiências durante o mês de junho, «não obstante não ter emitido qualquer partida» relativa ao Mundial de Futebol.

Quanto à produção audiovisual, onde a Media Capital concluiu já a reestruturação iniciada em 2013, «registou-se uma melhoria substancial de rentabilidade». O EBITDA neste primeiro semestre foi de 0,2 milhões de euros, o que compara com 2,7 milhões negativos no período homólogo.

Na parte da rádio, o grupo proprietário da Rádio Comercial aponta uma subida homóloga de 26% do EBITDA neste segmento, para dois milhões de euros até junho, representando uma margem de 25,8%.

«Na terceira vaga de audiências de 2014, a Rádio Comercial registou a 11ª medição consecutiva na liderança», sublinha.

Quanto à área digital, «o bom desempenho ao nível da inovação e dos conteúdos permitiu que esta área registasse um crescimento relevante dos rendimentos de publicidade, mantendo a contribuição positiva para o EBITDA do grupo».

A Media Capital indica ainda que o endividamento líquido registou um crescimento de cinco por cento no primeiro semestre, para 111,2 milhões de euros no final de junho.

Já depois do final deste semestre, o grupo comunicou ao mercado a emissão de um empréstimo obrigacionista de 75 milhões de euros, «com o objetivo de reduzir os gastos de financiamento e alargar a maturidade da dívida contratada», recorda a Media Capital, no comunicado divulgado esta segunda-feira.