A administração da RTP, liderada por Alberto da Ponte, pediu esta quinta-feira uma audiência com caráter de urgência à Comissão parlamentar para a Ética, Cidadania e Comunicação, disse à Lusa a deputada do PS Inês de Medeiros.

«A administração já tinha enviado uma carta a manifestar a sua disponibilidade» para ser ouvida na comissão de Ética, explicou a deputada socialista, acrescentando que esta quinta-feira enviou nova missiva a «pedir uma audiência com urgência».

O Conselho Geral Independente anunciou na quarta-feira que iria pedir, junto do acionista único Estado, a destituição da administração da RTP.

O ministro da Presidência afirmou esta quinta-feira que o Conselho Geral Independente «é um órgão de reconhecida competência e independência total» e classificou de «ideia pequenina» as acusações de eventuais pressões para a destituição da administração da empresa. 

Entretanto, fonte oficial do Conselho de Administração da RTP disse à Lusa que este órgão não se pronunciou sobre a sua destituição por desconhecer «os fundamentos da proposta» e por não ter sido ouvido, no âmbito do estatuto do gestor público. 

De acordo com o estatuto do gestor público, a dissolução do Conselho de Administração requer audiência prévia, pelo menos, do presidente do órgão e é devidamente fundamentada.