A partir da meia-noite desta quinta-feira a NOS deixa de transmitir o Porto Canal. A decisão foi anunciada esta quarta-feira pela Portugal Telecom, que em comunicado sublinha que não restou outra solução a não ser a suspensão, tendo em conta que as negociações se arrastam.

É mais um episódio na “guerra” que opõe as duas operadoras devido aos contratos dos direitos televisivos do futebol.

“A MEO assumiu uma postura séria e transparente nesta negociação e apresentou condições concretas para viabilizar a distribuição do Porto Canal pela NOS, assegurando a mesma por um valor moderado, que a partir de julho de 2016 deveria ocorrer em condições paritárias face aos direitos nessa altura a serem disponibilizados pela NOS”, diz a empresa em comunicado.

Segundo a PT, a NOS “insiste em não apresentar contrapropostas concretas, mantendo o mercado e os clientes sem qualquer informação, designadamente sobre os termos de comercialização dos canais Benfica TV e do Sporting TV, assim como sobre os direitos de transmissão dos jogos do Benfica”.

“Não existindo evolução na posição assumida desde início pela NOS”, refere a PT, “não resta a este operador outra solução que não seja a de informar os consumidores e as autoridades competentes de que se vê forçado a tomar a decisão de suspender o acesso da NOS ao sinal do Porto Canal, a partir das 00h00 do dia 11 de Fevereiro de 2016”.

​​​A empresa diz no entanto que se mantém “empenhada em encontrar uma solução para esta situação”, servindo numa base de reciprocidade os interesses de ambos os operadores, no respeito estrito pelas mais elementares regras de mercado.

A MEO detém os direitos de comercialização da distribuição do Porto Canal desde 1 de janeiro deste ano.

Na reação, a NOS classifica a concorrente de "irrazoável e inflexível", cublinhando que esta nunca apresentou qualquer proposta especifica para a distribuição deste canal.

"A postura negocial da MEO confirmou os piores receios da NOS e comprovou inequivocamente que a estratégia da NOS no mercado dos direitos e conteúdos desportivos foi indispensável e acertada para acautelar os interesses dos seus clientes".

A empresa garante que vai continuar a lutar para defender os interesses dos seus clientes e assegurar que estes têm a oferta mais competitiva e os melhores serviços e conteúdos.