O ministro da Presidência e Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, disse esta quinta-feira que todos, incluindo o Governo, gostariam que a carga fiscal descesse «amanhã já», mas alertou que tal não é possível.

«Quando for possível o objetivo de alívio da carga fiscal, que foi muito aumentada nos últimos anos, fruto da situação de emergência em que nos encontramos, seguramente que o Governo trabalhará nesse sentido», disse Marques Guedes em conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros de hoje, escreve a Lusa.

Alertando que todos - quer o Governo quer os portugueses com os seus esforços - estão a trabalhar para que os impostos mais elevados sejam «transitórios», Marques Guedes reconhece que «nenhum Governo e nenhum português tem um prazer especial em ter impostos muito elevados».

«À medida que o país se for reerguendo em termo de funcionamento da sua economia, de criação da sua própria riqueza e redução da dependência externa, têm que vir a ser criadas para que essa situação de carga fiscal muito elevada possa ser reduzida», ressalvou o governante.

«Seguramente que todos os portugueses gostariam que fosse amanhã já [a descida de impostos]. E o Governo também, como é evidente», admitiu ainda Luís Marques Guedes.