O Governo desvalorizou o relatório da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), onde os técnicos que apoiam o Parlamento nesta matéria estimam que será necessário cortar ainda este ano mais 300 milhões de euros em despesas com pessoal.

Confrontado pelos jornalistas com o relatório, o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, disse desconhecer o documento, mas afirmou tratar-se de uma «previsão».

«Remeto para o Ministério das Finanças qualquer comentário ao relatório e à previsão», disse, acrescentando que a análise da UTAO é feita «com base nos meses decorridos até ao momento» e que o valor se trata de «uma projeção que é feita para final do ano. É uma previsão».

De acordo com a UTAO, o Governo pode ter que cortar mais 300 milhões de euros em despesas com pessoal, até ao final do ano, se quiser cumprir as metas inscritas no Orçamento Retificativo. Isto porque o Estado ainda vai ter que pagar o subsídio de férias em novembro e a UTAO avisa que a despesa vai ficar acima do previsto.