O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, considerou este sábado que a Grécia deve «continuar com os esforços orçamentais» após o sucesso da emissão de dívida realizada esta semana.

Este sucesso mostra que «os mercados apreciam os progressos muito significativos no país», que esteve privado do acesso aos mercados desde 2010, afirmou Draghi numa conferência de imprensa à margem da reunião da Primavera do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, em Washington.

«Também é verdade que neste momento os mercados estão muito, muito favoráveis, às emissões de dívida a nível mundial», mas no caso grego, «o esforço orçamental deve continuar», bem como «as reformas estruturais e a consolidação do sistema bancário», declarou o presidente do BCE.

Segundo o responsável, «estes três fatores são essenciais para que o regresso aos mercados não seja um episódio passageiro, mas o inicio de uma história bem sucedida».

A Grécia colocou na quinta-feira três mil milhões de euros em títulos a cinco anos, a uma taxa de juro de 4,95%, na primeira ida aos mercados internacionais em quatro anos.

O vice-primeiro-ministro grego, Evangelos Venizelos, frisou que esta emissão a médio prazo marca o regresso aos mercados e destacou o «sucesso da operação», com a procura a superar «pelo menos oito vezes a oferta».

«A resposta do mercado foi encorajadora, os mercados confiaram na Grécia», disse então Venizelos, também ministro dos Negócios Estrangeiros, em conferência de imprensa.