confrontos entre a polícia e manifestantes junto da nova sede da instituição

«Enquanto instituição europeia que teve um papel central durante a crise, o BCE tornou-se o foco das críticas para os que estão frustrados com a situação», disse Draghi na cerimónia de inauguração da nova sede, na parte leste de Frankfurt, que custou 1,3 mil milhões de euros.

«Essa não é uma acusação justa, a nossa ação tem visado precisamente amortecer os choques sofridos pela economia. Mas como banco central de toda a zona euro, devemos ouvir com muita atenção o que todos os nossos cidadãos dizem», acrescentou, citado por agências internacionais.




«Há alguns, como os muitos manifestantes lá fora, que pensam que o problema é que a Europa fez muito pouco. Querem uma Europa mais integrada, com mais solidariedade entre nações. E outros, como os partidos populistas que vimos aparecer em toda a Europa, que pensam que a Europa fez demasiado. Querem renacionalizar as economias e reivindicar a soberania económica», afirmou.

«Eu compreendo o que motiva estas opiniões e porque as pessoas querem ver mudanças. Mas, na verdade, nenhuma delas oferece uma verdadeira solução para a situação», disse.

Draghi prosseguiu sublinhando a importância da solidariedade na integração europeia, mas acrescentou que «a zona euro não é uma união política do tipo em que alguns países devem pagar permanentemente pelos outros».