O ministro das Finanças admite que, afinal, sempre existe um plano B em caso de derrapagem orçamental. Em entrevista à RTP, Mário Centeno acrescenta, no entanto, que está convencido que esse plano não vai ser necessário.

“O que está preparado para um plano de contingência que está obviamente estudado e analisado não é algo se anuncie ou pré-anuncie. Existe (plano B), mas estamos plenamente convencidos – ainda com toda a incerteza de que a execução orçamental do primeiro trimestre possa ter para aquilo que são os números que são avaliados pelas instituições europeias – a execução orçamental está alinhada com aquilo que é o orçamento”, afirmou o ministro na entrevista.

Ainda na passada terça-feira, o ministro das Finanças tinha voltado a recusar a existência de um ‘plano B’, entre as críticas de otimismo do Programa de Estabilidade e as preocupações da esquerda, de que as regras europeias signifiquem um regresso ao passado.

A polémica chegou mesmo até Bruxelas com os líderes a discutirem o 'se' e o 'quando'. A Comissão Europeia chegou a pedir mais austeridade a Portugal.