O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou que o sucesso no cumprimento das metas pelo país “muda tudo”. Foi assim que o governante português comentou os elogios deixados pelo seu homólogo alemão, Wolfgang Schäuble, que, esta quinta-feira, disse que o caso português era "uma história de sucesso". Numa reunião do Eurogrupo, no Luxemburgo, o ministro alemão até voltou a chamar Centeno de "Ronaldo".

Centeno falava aos jornalistas no final de uma reunião dos ministros das Finanças da zona euro na qual foi saudado por Schäuble com um “Ronaldo”. Desta vez, o momento foi captado pelas câmaras de televisão, depois de, na anterior reunião, em maio passado, o ministro alemão já ter afirmado, longe dos olhares dos meios de comunicação, que o ministro português era o “Ronaldo do Ecofin”.

Portugal está a viver um momento muito positivo e isso obviamente transmite-se à opinião, que aqui há uns meses era infelizmente outra, de algumas pessoas", declarou aos jornalistas, no Luxemburgo.

À entrada para o encontro, o ministro das Finanças alemão elogiara Portugal, considerando que a intenção do Governo de pagar antecipadamente 10 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) demonstra que o programa de assistência português “é uma história de sucesso”.

Questionado sobre se é de desconfiar dos elogios de Schäuble, Centeno disse que nunca se deve “desconfiar de elogios, principalmente quando lhes é reconhecido mérito”.

E é verdade que no crescimento económico, no crescimento do emprego, na queda do desemprego, na estabilização do sistema financeiro, através de captação de capital para a generalidade da banca portuguesa, se conseguiu mais neste ano e meio (que nos anteriores), em particular na credibilidade, porque atingir as metas é aquilo que dá credibilidade a um país, e Portugal finalmente atingiu as metas a que se propôs, exatamente na medida em que se propôs (…) Cumprimos e isto muda tudo”, declarou.

Sobre se o relacionamento com o ministro alemão é agora melhor, retorquiu que “a relação com Wolfgang Schäuble sempre foi uma relação profissional, de dois ministros das Finanças de dois países que obviamente se respeitam”.

“Tínhamos e mantemos opiniões distintas sobre algumas das questões que se põem à Europa, mas isso não impede de todo que colaboremos de uma forma muito construtiva na sua construção. O que se trata aqui é de reconhecer que Portugal tem um desempenho muito positivo em muitas áreas, e é isso que esses comentários revelam”, concluiu.

Depois de participar esta quinta-feira na reunião do Eurogrupo, Centeno estará presente na sexta-feira na reunião alargada aos 28, o Conselho Ecofin, que vai formalmente aprovar a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo, seguindo a recomendação do mês passado da Comissão Europeia.