A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, afirmou esta quarta-feira que a despesa com salários só pode crescer se for sustentada com crescimento económico, mas adiantando que as despesas com pessoal têm de ter uma redução permanente.

«O que pretendemos dizer é que a despesa com salários, a despesa com pessoal, não pode crescer, a menos que seja sustentada com crescimento económico. A despesa com pessoal não é necessariamente salários», explicou a governante em audição na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Administração Pública, sublinhando que «a despesa tem de ter uma redução permanente».

«Com essa redução natural de efetivos, podemos ter um objetivo de despesa que é mantido e não ter necessariamente congelamento de salários», disse.

A ministra respondia a uma questão colocada pelo deputado do PCP, Paulo Sá, que invocou o parecer do Conselho de Finanças Públicas (CFP) que considera que os cortes nas despesas com pessoal são de caráter permanente.