A ministra de Estado e das Finanças, Maria Luís Albuquerque, considerou hoje que o Governo e os partidos políticos podem, em conjunto, melhorar a proposta de Orçamento do Estado para 2014, preservando os seus objetivos essenciais.

Portas: Portugal pode estar a sair da recessão técnica

«As principais linhas da proposta de Orçamento do Estado foram já apresentadas aos portugueses e ao parlamento. Estamos, assim, num período de debate decisivo, um período em que o Governo tem oportunidade de fundamentar as suas opções, e um período em que os partidos políticos podem defender as suas opiniões e dar os seus importantes contributos», declarou Maria Luís Albuquerque, numa intervenção nas jornadas parlamentares conjuntas do PSD e do CDS-PP, na Assembleia da República.

«Em conjunto, estou confiante que podemos melhorar a proposta apresentada preservando os seus objetivos essenciais», acrescentou, sem especificar que pontos da proposta de Orçamento do Estado entende que podem ser melhorados.

A ministra sustentou que a proposta do Governo garante o cumprimento do limite de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) para o défice orçamental sobretudo pelo lado da despesa e, «assim, minimiza custos a suportar pela economia e reforça as bases de sustentabilidade futura das finanças públicas, incluindo do sistema de pensões».

Quanto aos esforços adicionais pedidos aos funcionários públicos e pensionistas, justificou-os referindo que «70% da despesa pública se concentra em prestações sociais e despesas com pessoal», mas alegou que todos os agentes da economia são chamados a contribuir e que «os portugueses com menores rendimentos são protegidos».