A ministra das Finanças disse que poderá haver «surpresas positivas» em 2015, afirmando que mantém confiança nas previsões do Governo no Orçamento do Estado do próximo ano.

«Acreditamos mesmo que elas [previsões] não são optimistas demais e que teremos margem para conseguir resultados melhores até do que aqueles que estão agora no Orçamento e que podemos ter surpresas positivas ao longo do ano de 2015, porque aquilo que estamos a ver como sinais é francamente encorajador»


Maria Luís Albuquerque falava numa sessão com militantes, em Oliveira de Azeméis, para discutir o Orçamento do Estado para 2015, no âmbito das IV Jornadas de Consolidação, Crescimento e Coesão, organizadas pelo PSD.

A governante referiu ainda que o Orçamento do próximo ano «dá aos portugueses uma perspectiva de um futuro que começa a ser melhor, em que temos crescimento».

«Saímos da recessão, tivemos um ano de 2014 de crescimento e teremos um ano de 2105 de maior crescimento, que significa recuperação para todos»


Imediatamente antes da intervenção da ministra das Finanças, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, também se referiu às previsões do Orçamento do Estado, afirmando que o Governo «tem falhado muitas vezes, mas a favor do país e do desempenho do país».

«A troika perspectiva para o próximo ano um quadro mais negativo do que aquilo que nós estimamos no Orçamento e, pasme-se, a nossa oposição e o PS, em particular, vieram dizer para ouvir a troika. Parece que o PS já está com saudades da troika»


O líder da bancada parlamentar do PSD criticou ainda a atual liderança do PS, afirmando que «revela arrogância e fraqueza», por se recusar a fazer compromissos.

«Não perdem as eleições por fazer acordos ou compromissos com as questões essenciais», referiu Luís Montengro.