«Não haverá aumento de impostos para 2015 e não haverá adicional esforço sobre salários e pensões», adiantou Marques Guedes, o ministro dos Assuntos Parlamentares, no início da conferência de imprensa do Conselho de Ministros Extraordinário para anunciar as novas medidas para que seja possível cumprir a meta do défice para 2015.

Governo anuncia medidas duradouras nas pensões este mês

O Governo prevê poupar 730 milhões de euros através da redução de despesa nos diversos ministérios, através de fusões, reorganizações. Também estima uma poupança de 320 milhões de euros em custos com tecnologias de informação e comunicação e também de poupanças decorrentes do programa «Aproximar».

Veja a análise do editor de Economia da TVI, Paulo Almoster, às medidas anunciadas pelo Governo

No setor empresarial do Estado, o governo estima poupar 170 milhões de euros, com reorganizações, fusões e com a redução do número de funcionários públicos através de aposentações e rescisões amigáveis.

«Também há a preocupação de diminuir as dívidas acumuladas setor na saúde. Os atrasos de pagamentos deverão ser resolvidos com esforço de racionalização. No entretanto, poderão ser equacionadas mais contribuições, nomeadamente da indústria farmacêutica ou tributação dos produtos que fazem mal à saúde», concluiu Maria Luís Albuquerque.

Segundo a ministra das Finanças, o Governo estima que são necessários 1400 milhões de euros para cumprir a meta de 2,5% do PIB no próximo ano, o que significa cortar despesa de 0,8% do PIB.

«As medidas duradouras em preparação não implicam sacrifícios adicionais. As medidas acordadas refletem o necessário para o cumprimento do défice, até à elaboração da proposta do Orçamento do Estado para 2015, em que haverá nova informação, mas o mesmo objetivo de 2,5% do PIB», sublinhou a responsável.