A empresa Arrow Global, que contratou a ex-ministra Maria Luís Albuquerque como administradora não executiva, disse esta quarta-feira que não beneficiou de isenção de impostos ou benefícios fiscais em Portugal.

Num comunicado divulgado esta quarta-feira pela empresa, em que esclarece vários pontos a propósito da polémica relacionada com a contratação da ex-ministra, a empresa esclarece que "não recebeu qualquer tipo de isenção de impostos ou benefícios fiscais em Portugal".

Na terça-feira, o PCP e Bloco de Esquerda pediram esclarecimentos adicionais ao atual Governo sobre as ligações ao Estado português da empresa que contratou a atual deputada Maria Luís Albuquerque, nomeadamente sobre a eventual concessão de apoios financeiros ou benefícios fiscais.

Já esta quarta-feira foi noticiado por órgãos de comunicação social que as empresas Whitestar e Gesphone, especializadas em gestão de créditos em incumprimento e atualmente detidas pela Arrow, receberam cerca de 400 mil euros em benefícios fiscais até 2014.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, a Arrow refere ainda que só adquiriu a Whitestar em abril de 2015, acrescentando que a função dessa empresa é gerir carteiras de créditos e imóveis de outras entidades, não sendo proprietária desses ativos.

A empresa britânica adianta que “não trabalhou com a Whitestar no concurso de venda da carteira de crédito do Banif em 2014, mas sim com uma empresa concorrente”, tendo a Whitestar estado então envolvida nesse dossiê mas com outro investidor.

“A Arrow Global nunca trabalhou com a Whitestar antes da aquisição da mesma em 2015”, reforça a informação enviada às redações.

A polémica em torno da Arrow Global e dos negócios que fez em Portugal começaram depois de ser conhecido que o grupo britânico de gestão de crédito nomeou a ex-ministra das Finanças como administradora não executiva, com efeitos a 7 de março.

Em Portugal, a empresa gere uma carteira de crédito de 5,5 mil milhões de euros, tendo entre os clientes os bancos Banif, Millennium BCP, Montepio, Santander, Banco Popular, entre outros.

Neste comunicado, a empresa explica ainda porque avançou para a contratação de Maria Luís Albuquerque, referindo que o que a habilita para as funções são “a vasta experiência e o conhecimento dos mercados financeiros internacionais”.

A Arrow refere que “não teve qualquer contacto ou ligação” com a ministra do último Governo PSD/CDS-PP até dezembro de 2015 e que a governante “não esteve envolvida em qualquer contrato ou acordo comercial que envolvesse a Arrow Global ou a Whitestar”. É ainda referido que Maria Luís não trabalhará na “originação e negociação de portefólios

Quanto ao salário que a Arrow pagará à ministra, é dito que o valor de 45 mil libras (cerca de 58 mil euros à taxa de câmbio atual) está alinhado com as “práticas de mercado” e que é “igual à remuneração de todos os administradores não-executivos da empresa”.

A empresa refere também que não haverá bónus em função do desempenho.