“Não vamos permitir que as decisões dos tribunais não se venham a cumprir num país de direito”, frisou.