O Presidente da República assegurou que ainda não tomou qualquer decisão sobre o diploma que impõe o fim do sigilo bancário nas contas com mais de 50 mil euros.

"Até eu tomar a decisão não há nada a dizer", afirmou o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas no final da cerimónia em que foi plantada a primeira árvore do novo campus da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, que será construído em Carcavelos, no concelho de Cascais.

Questionado sobre notícias que referem que já tomou uma decisão sobre este diploma do Governo, Marcelo Rebelo de Sousa assegurou que, quando a decisão for tomada, se saberá.

 "Não é possível saberem antes de ser tomada a decisão", acrescentou.
 

Do que é que Marcelo falou

"Este país merece a revolução silenciosa iniciada num passado recente, merece, não nos podemos resignar à ideia de um país envelhecido, temos de apostar num país jovem, num país de futuro", afirmou o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, numa intervenção na cerimónia que marcou o arranque da construção do novo campus da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, que será construído em Carcavelos, no concelho de Cascais.

Uma "revolução silenciosa" que está a acontecer entre os jovens, com novas empresas - as chamadas ‘startup' - com projetos empresariais de pesquisa e investigação que saem das universidades ou estão ligadas a outros centros de saber e que "se têm multiplicado nos últimos quatro, cinco anos em Portugal e que se vão multiplicar no futuro", acrescentou depois aos jornalistas no final da cerimónia.

"Houve a capacidade de ver isso e arrancar com o processo, agora é preciso que não pare porque os Presidentes mudam, os Governos mudam, mas o país fica", vincou o chefe de Estado.

No discurso, o Presidente da República recuperou as ideias que tinha defendido na segunda-feira a propósito da necessidade de previsibilidade, insistindo que em todos os planos a postura do Estado deve ser a mesma.