O Presidente da República insiste que é "muito importante" que a Comissão Europeia tenha uma reação positiva às previsões económicas do Governo e ao Programa de Estabilidade. Se isso não acontecer, terá de haver "acomodações e negociações". Já ontem, Marcelo Rebelo de Sousa se tinha manifestado sobre esta "importante" semana, mostrando-se "muito esperançado" numa boa reação de Bruxelas.

"Acho que é muito importante haver aceitação da Comissão Europeia daquilo que são as perspetivas do Governo português para os próximos anos. É a partir dessas perspetivas que se vai analisar ano a ano a execução orçamental", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

"É muito importante aquela que seja a reação da Comissão Europeia. Se essa reação for positiva o clima é positivo. Se for menos positiva, isso obriga a acomodações e negociações mas estou esperançado que seja positiva"

 O chefe de Estado falava depois de questionado pelos jornalistas, no final de uma visita à Marinha, no Arsenal do Alfeite, Almada.

Há dois dias, a Comissão Europeia insistiu, num relatório, que Portugal adote medidas adicionais, considerando haver risco de desvio orçamental significativo este ano se o Governo não encaixar pelo menos mais 700 milhões de euros com medidas de austeridade.

Ontem, António Costa, enquanto secretário-geral do PS atacou esse relatório, que também critica o aumento do salário mínimo nacional. Costa, no entanto, que recusa um modelo de país baseado em baixos salários e que a batalha pela igualdade continua.