O Presidente da República ordenou uma auditoria interna às contas de Belém. Marcelo Rebelo de Sousa, que quer gastar menos do que Cavaco Silva neste seu mandato e, ao mesmo tempo, ter a certeza de que as compras da Presidência da República são feitas com controlo, confirmou de viva voz a notícia avançada na edição desta terça-feira do Diário de Notícias. 

"É importante num tempo de finanças apertadas a Presidência da República estar atenta e dar o exemplo".

O chefe de Estado fez questão de frisar que "para o futuro é importante isso estar presente" e que esta decisão de passar a pente fino as contas "não significa nenhuma crítica a ninguém", sendo apenas uma "prevenção para o futuro", acrescentou, quando falava aos jornalistas no final de uma visita ao Hospital das Forças Armadas, em Lisboa.

O Diário de Notícias especifica que o alvo deste exame é a secretaria-geral, por ser esta a responsável pela gestão de contas, desde o orçamento da Presidência, ao pessoal e ao funcionamento dos serviços administrativos. Adianta também o mesmo jornal que já terão sido detetados problemas e inconsistências durante a dita auditoria.

Essa avaliação incidirá sobre todos os dossiês e espera-se um relatório pormenorizado, tendo como objetivo apurar os erros cometidos e quem teve a responsabilidade.

"Não se trata de querer corrigir nada em relação ao que vem de trás", garantiu fonte oficial ao DN, o que vem de encontro às declarações proferidas entretanto por Marcelo. 

O Orçamento da Presidência da República, elaborado ainda no anterior mandato, é de 16,355 milhões de euros. Só em três anos dos últimos 10 em que Cavaco Silva esteve no poder este valor foi maior. As despesas com pessoal, essas, baixaram entre 2011 e 2015. embora as compras de bens e serviços tenham aumentado.