O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, foi chamado pelo Presidente da República para uma reunião em Belém, que não constava da agenda oficial do chefe de Estado para esta sexta-feira.

A TVI confirmou a notícia avançada pelo Expresso e apurou que o encontro aconteceu antes das 19:00, na semana em que a capitalização da Caixa Geral de Depósitos esteve no centro das atenções e em que o PSD anunciou que vai impor uma comissão de inquérito parlamentar sobre o banco. Sendo o Banco de Portugal o supervisor da banca, terá sido tema natural do encontro.

Os últimos desenvolvimentos sobre a capitalização da Caixa foram dados a conhecer pelo primeiro-ministro, António Costa, que confirmou que a Comissão Europeia vai fazer uma "avaliação" à capitalização da CGD. Não falou de auditorias, como foi noticiado pela TSF.

O porta-voz da Comissão, Ricardo Cardoso, disse à TVI que “deve ficar claro que a Comissão não é um auditor nem realiza auditorias”.

Certo é que Bruxelas não fechou a porta a um possível pedido de informação, que pode ser no âmbito de qualquer procedimento que o Banco Central Europeu venha a realizar. Um não fechar de porta que vai de encontro à tal “avaliação” de que fala o primeiro-ministro. Questionado pela TVI, o BCE não quis comentar.

Quanto ao inquérito parlamentar sobre o dossiê Caixa, António Costa mostrou-se surpreendido. "Não me passa sequer pela cabeça que pudesse ter havido algum tipo de comportamento ilícito que não tivesse sido detetado pelas autoridades regulatórias, pelas autoridades judiciárias ou pelo Governo anterior e que não tivesse tido consequências", afirmou o chefe de Governo a esse propósito.